Dúvidas Frequentes

01.          Qual o objetivo da têmpera nas facas de guilhotina ?

Endurecer o aço para que ele tenha maior resistência para o corte de chapas. E o processo consiste em elevar o material a uma temperatura determinada, suficiente para ocorrer a transformação martensítica e logo em seguida resfria-lo rapidamente para ocorrer o choque térmico, consequentemente o endurecimento. Para as facas de corte, tem como finalidade:

- Aumentar a dureza

- Aumentar a resistência a tração

- Redução na tenacidade

 

02.          O que é Revenimento ?

É o tratamento térmico imediatamente posterior a têmpera. Onde o material é aquecido a temperaturas mais baixas para ocorrer a homogenização das moléculas internas.

Tem a redução da fragilidade ou acréscimo da tenacidade, como seu maior objetivo.

A Estampar utiliza como padrão o TRIPLO Revenimento para suas facas de corte, desta maneira, garantindo que toda a microestrutura interna temperada seja transformada.

Com isso, minimizando a possibilidade do aparecimento de pontos de tensão, consequentemente, tricas originadas na têmpera.

 

03.          Quais os tipos de Tratamento Térmico Localizado ?

- Têmpera por chama

Neste processo aquece-se rapidamente, acima da temperatura crítica a superfície a ser endurecida, por intermédio de uma chama de oxiacetileno. Resumindo-se ao aquecimento por fogo, seu processo é irregular, não mantendo a dureza uniforme e a profundidade constante.

- Têmpera por laser

Fonte de luz com a qual se pode aplicar quantidade de energia pré-determinadas em regiões especificas de um componente. Sua penetração é superficial atingindo com profundidade média de 1,5mm.

- Têmpera por indução magnética

Método utilizado pela Estampar Profasa, onde o aço é aquecido por um campo magnético gerado por uma corrente alternada de média frequência que passa através ou sobre um indutor (bobina de cobre).

Com um sistema exclusivo de copiador de superfície, nosso tratamento atinge uma penetração uniforme de 4-5mm, garantindo resistência e dureza constante ao longo de todo o comprimento das peças.

A grande vantagem desse processo, é a maximização da longevidade em futuras manutenções. Pois em eventuais afiações, a profundidade da dureza representará mais que o dobro de vida útil das ferramentas, comparada por exemplo ao laser.

 

04.          Têmpera Total ou Localizada para Ferramentas de Dobradeira ?

 Como as ferramentas de dobradeira trabalham abertas, tomou-se como padrão de segurança a têmpera localizada, onde somente as áreas de contato com a chapa devem ser tratadas. Desta maneira, caso aconteça algum erro ou descuido no processo, a ferramenta absorve a pressão e não há a quebra ou lascamento de partes que possam ocasionar um acidente grave de trabalho.

Dependendo da deformação da ferramenta, esta pode ser recuperada.

Para casos em que se necessite maior rigidez na estrutura da ferramenta, usa-se matéria-prima pré-endurecida a 22-30HRc acrescida a têmpera localizada de 54-60HRc.

 

05.          Qual a diferença da Ferramenta para Dobradeira Convencional X CNC ?

A diferença está no acabamento, tolerância e rugosidade das ferramentas.

A ferramenta CNC, após a usinagem e tratamento térmico, é retificada. Tanto no sistema de fixação, como ao longo do fio de dobra.

Garantindo deste modo, precisão dimensional e paralelismo (0,03mm) e com baixa rugosidade (N6-0,8μm).

Já a Ferramenta Convencional segue uma tolerância na casa dos decimais, e com acabamento fresado. Desta forma, a rugosidade é maior (3,2 μm. (N8)).

Como vantagens, a ferramenta CNC, ou a ferramenta projetada para ser utilizada em Dobradeiras CNC, dão maior velocidade de montagem com trocas mais rápidas e precisas, sem a necessidade de ajustes através de calços. Muito útil para quem trabalha com lotes pequenos de peças.

Por apresentarem garantia dimensional, todas as partes podem ser montadas juntas, garantindo perfeito ajuste, desta forma, sendo modulada a diversas situações do dia a dia. Além de oferecem uma melhor ergonomia de trabalho para o operador com relação a manipulação de operação. Desta forma, adaptando-se as exigências da NR12.

Com acabamento mais liso, minimiza eventuais sinais de escoamento e marcas na chapa, além de aumentar a longevidade da ferramenta por também minimizar o atrito durante o processo de dobra.

Como a Dobradeira CNC também foi projetada para dar precisão, velocidade e versatilidade, a ferramenta como extensão, tem que garantir que tudo o que foi passado da máquina, aconteça! Pois como não é para ter ajustes manuais e sim pelo painel de controle, temos que garantir ao sistema que o que for digitado no painel, corresponda a realidade, caso contrário, vai se perder velocidade de produção. E isto não é exatamente que as empresas modernas buscam.

Já as ferramentas convencionais, por serem apenas fresadas, trabalham com uma tolerância mais aberta. Após o tratamento térmico, ela também tem que ser corrigida no alinhamento e esta correção é manual.

Para as convencionais, estes pontos são minimizados nas ferramentas inteiriças. Caso haja necessidade de fracionamento, os pequenos desencontros nos segmentos, ficarão evidentes nos perfis dobrados. Desta forma, comprometendo o produto final. Já o fato rugosidade, nas ferramentas fresadas, geram mais atrito de escoamento, acelerando o desgaste da ferramenta além de marcar mais o perfil dobrado.

 

06.            Quando o uso de Canais de Matrizes postiçados com aço ferramenta é indicado ?

Basicamente quando o material a ser dobrado for muito agressivo. Consideramos nesta situação: chapas com furos muito próximos a área de dobra, chapas com rebarbas de corte (guilhotina ou plasma), pontas desiguais, telas de arame, chapas soldadas, etc.

Como as réguas são de aço especial de liga C-Cr e elevada dureza, elas garantem as características originais do canal em até 3X comparadas ao sistema convencional. Outra vantagem é que elas são intercambiáveis,

A todo momento, pode-se ter a ferramenta com as características originais de fábrica.  Isto tudo aliado a melhora considerável na redução das marcas de dobra pelo melhor escoamento da chapa.